quarta-feira, 10 de novembro de 2010

PALMAS-TO Combate ao mosquito e não aos cães

SECRETARIA DA SAÚDE PROMOVE AÇÕES DE COMBATE AO MOSQUITO PALHA


“O cão é, como o homem, uma vítima do calazar. O grande vilão é o mosquito palha, transmissor da doença. É ele que devemos combater” -  Samuel Bonilha, secretário da Saúde de Palmas.


“O cão é, como o homem, uma vítima do calazar. O grande vilão é o mosquito palha, transmissor da doença. É ele que devemos combater” - com essa filosofia, Samuel Bonilha, secretário da Saúde de Palmas, abriu a I Semana das Leishmanioses, com trabalhos de campo, nesta segunda-feira, dia 8, no Jardim Taquari. Amanhã, terça-feira, às 8:30 será a abertura do I Seminário de Vigilância às Leishmanioes, no auditório do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

De acordo com o secretário, para diminuir a reprodução do mosquito palha é necessário que toda a população mantenha seus quintais limpos, livres de matéria orgânica. “O lixo e restos de comida são alimentação dos vetores e enquanto estivermos alimentando-os, vamos ajudá-los a se reproduzir e mantê-los em nosso meio” - alerta Bonilha.

Exame sorológico e controle químico

Mais de 100 agentes de endemias estão espalhados pelos principais bairros de incidência de leishmaniose visceral, como o Jardim Taquari, Santa Bárbara, Jardim Aureny III e região das Arnos, fazendo coleta de sangue de cães para o exame sorológico e controle químico com inseticidas.
“Estamos intensificando trabalhos de rotina que é composto por manejo ambiental, com visitação nos quintais das residências, para detecção de situações de risco; atividades educativas com distribuição de material informativo e a cartilha da posse responsável, que traz a legislação ambiental, os cuidados com os animais e a importância da castração” - informa Claúdio Gilberto, diretor de Vigilância em Saúde.

Doença preocupante

De acordo com o biólogo, Edimar Viana Cruz, responsável Técnico pelas Leishmanioses da Semus, as leishmanioses são um problema crescente em todo o Brasil, tornando-se uma das doenças mais preocupantes da atualidade.



“A transmissão da doença, antes restrita a ambientes rurais, vem se expandido para as áreas urbanas, com facilidade, se transformando em ameaça para a comunidade. Queremos desmistificar o cão como principal agente responsável pela doença e alertar para o mosquito que é o grande vilão.” - enfatiza o biólogo.


O que é a leishmaniose?

A leishmaniose possui duas formas: a tegumentar (LTA) e a visceral (LVC). A visceral, também conhecida como calazar, é a forma mais severa de leishmaniose, transmitida através da picada o mosquito palha. Atinge principalmente órgãos viscerais como fígado, baço e medula óssea.



Sintomas da doença

Os principais sintomas são: febre, aumento do baço e fígado. Humanos e outros animais infectados são considerados reservatórios da doença, uma vez que o mosquito, ao sugar o sangue destes, pode transmiti-lo a outros indivíduos, ao picá-los. Em região rural e de mata, os roedores e raposas são os principais; no ambiente urbano, os cães. Nem todos os cães, quando infectados, apresentam os sinais da doença (emagrecimento, perda de pelos e lesões na pele).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário